quarta-feira, 21 de agosto de 2019

Entre sóis, Girassóis




Andando entre sóis,
Girassóis
Hei de chegar...
Naquela morada que está muito além
Do mar

Contando estrelas eu sigo
A cantar
Brindando o amor
E o cheiro
Da flor

Na paz das colinas
No ar das campinas
Afagos que animam
Enfim...

O dia Reluz...               
A vida conduz                
A terra se cobre
De luz!
De luz…

Andando entre sóis,
Girassóis
Hei de chegar...
Naquela morada que está muito além
Do mar

Contando estrelas eu sigo
A cantar
Brindando o amor
E o cheiro
Da flor

Em nuvens brincando
Tempestades driblando
Sinto a energia que flui
No silêncio...

O dia Reluz...               
A vida conduz                
A terra se cobre
De luz!
De luz…

segunda-feira, 12 de agosto de 2019

Minha Oração


Minha oração
Eu vim de longe, cheguei cantando
Elevando aos céus minha oração
Canto aquilo que venho compondo
Nos versos simples de uma canção

Tantas coisas aprendi rezando
Muitas lembranças eu vivi sonhando
Cada minuto que ganho nessa vida
Agradeço ao Pai a graça concedida

Caminhando contemplo o belo amanhecer
Curto o perfume doce das gardênias
Colhendo flores enfeito meu viver
enleva-me a terna fragrância das eugenias...

As melodias que ouço nas viagens
Trago comigo num canto, guarnecidas
São sons de bichos, vento nas folhagens
Do universo, lembrando que existem vidas


Sigo plantando minhas sementes boas
Para florescer nas terras desse chão
São leves, férteis, fortes, vigorosas
Bem resguardadas no meu coração 

Maria Raquel

quarta-feira, 2 de janeiro de 2019

Minhas Lembranças



Minhas lembranças

Miro o azul do céu a findar
As luzes da cidade a distanciar
As ondas borbulhantes a espumar
Meus sonhos delirantes ao luar

Refletidas no balanço
Das suaves ondas do mar
Muitas lembranças gostosas
Em meu peito a ruminar

Palavras, gestos, suspiros
Tudo me vem ao pensar
Seu rosto, o doce sorriso
O verde claro do seu olhar

O balanço da rede me excita
A fantasia me suscita
Sinto seu cheiro no ar
E a brisa a me provocar!

Maria Raquel

sexta-feira, 28 de dezembro de 2018

Mensagem de Ano Novo


A quem puder me ouvir... Desejo PAZ!!!

Feliz 2019!

Momento de invocar a paz, para nossas almas. Deixar fluir nosso Deus interior. Que ele se manifeste, trazendo-nos tudo aquilo, que ainda abrigamos em fase embrionária e que precisa amadurecer. Tudo que falta-nos para que sejamos seres melhores, pacíficos, bons, compassivos e unidos em um único propósito: Paz e união universal. Que possamos falar a mesma língua. Nos momentos de fraqueza, tristeza, sofrimento, solidão, fragilidade, ele nos brinde com seu perdão, misericórdia, entendimento, compreensão. Discernimento e lucidez, para aceitarmos as coisas que nos incomodam e que não podem ser mudadas. Força, coragem, firmeza para mudarmos aquelas que precisam ser buriladas, descartadas, agregadas, compreendidas... É chegado o tempo de abrirmos nossas almas, corações, olhos e ouvidos... A Voz do Pai ecoa no firmamento incessantemente. Estejamos atentos, despertos, vigilantes. Prestemos atenção nos sinais, que não são poucos. O tempo urge! Somente o amor verdadeiro pode nos salvar! Deus conosco!!!

Maria Raquel

sexta-feira, 26 de outubro de 2018

Canção do Agora


Canção do Agora

Entoemos com fervor
A nossa canção do agora
Somos fortes no amor
Sol nasceu, chegou a hora!

Abram as portas da alma
Deixem entrar o perdão
Energia que acalma...
Unidos nessa canção!

É o mundo renascendo,
Com cuidado e devoção        
A paz sempre enaltecendo
Humildade e gratidão

A planta que nasce e cresce
Em fruto resplandece
Para o mundo é uma prece
Esperança que abastece...

Não há mal que nos impeça
Caminhar com retidão
Vamos lá a hora é essa...
Doemos amor, guerra não!

O amor que nos fortalece
É a arma que amanhece
No nosso campo floresce
Força vital que guarnece

Amar é nosso bordão!
Nosso céu e nosso chão
Sejamos fortes, então!
Deus é nossa salvação!

domingo, 23 de setembro de 2018

Ela chegou!




ELA CHEGOU!

Sabiá cantou lá na janela
Fazendo com que eu pensasse nela
A flor branca, roxa e amarela
Seu perfume reservou só pra ela

O rio orquestrou suaves melodias
Andorinhas vieram alegres brindar o dia
Foi ela que jurou que voltaria
Que de mim, jamais se esqueceria

O vento chegou sorrateiro, assoviando
Em meus cabelos, fez travessuras brincando
Em mim a esperança devagar foi retornando
Ao pressentir seus passos regressando

O menino interior, respirou, acordou
A voz do silencio, na garganta, se revelou
Coração disparado, palpitante, se entregou
No momento mágico, sublime...
Em que ela... chegou!...     



Herança Ancestral


Herança Ancestral

A força que vem de dentro
Das entranhas dessas terras
Traz bem distante o lamento
 Saudades, sonhos e guerras

Nas lembranças esquecidas
De muitas trilhas vencidas
De pessoas mais queridas
Retalhos de tantas vidas...

Nos vestígios do passado
Tudo escrito na memória
Tão fortemente gravados
Contadas na nossa historia

Nos contos, cânticos, lendas
No solo, pedras, cavernas
Tem marcas de tempos idos
De caminhos percorridos

Como exemplo ficou
O respeito à natureza,
A mãe de tanta beleza
Que sempre nos alertou

É só prestar atenção
E aprender bem a lição
Observar os sinais
Ensinaram os ancestrais

Depurando ensinamentos
Contemplando o firmamento
Rogando paz, proteção,
Amparo a toda nação



Maria Raquel

sábado, 19 de maio de 2018

Não Parecia...



Não parecia que era céu, o que se via
Nem parecia que era a sombra, que temia
Não parecia que era o vento ciumento
Que anunciava teu retorno, teu intento

Não parecia que a brisa ao despertar-te
Acariciava-te a alva tez a iluminar-te
Não parecia que era relva, suave encanto
Que cautelosa, prenunciava com o seu manto

Não parecia que era o mar insinuante
Que agraciava os amantes, navegantes
Não parecia que era eu que pressentia
Nem parecia que eras tu que me querias...

Não parecia que era água que desaguava
Nem parecia que era fogueira que queimava
Não parecia que era a lua que conduzia
Nem discernia se era sonho ou fantasia! 

Algo em mim que envolvia, entorpecia...
Comparecia, ouvia, via, insistia, embevecia
No meu peito aviltava, seduzia, preenchia...
Não... Não era eu que enlouquecia!...

Eras tu que eu via...
Eras tu, que eu vivia!

domingo, 18 de março de 2018

Água da minha vida



Líquido salutar, Divino...

A própria essência de Deus!

Não tenho como te descrever.

És, de fato, indescritível, inexplicável

Vais muito além dos adjetivos...

Não te alcança o meu modesto entendimento.

Neste momento, resta-me te pedir perdão

Por tantos descuidos com que te tratamos.

A ti, minha reverência.

Eterna gratidão, água, da minha vida!...

Permita-me te sentir suave em meu corpo, limpando minha alma...

Permita-me saciar minha sede de amor, de vida, de água...

Permita-me poder limpar minhas tristezas e dissabores...

Meus erros, imperfeições!...

Saúdo-te e te agradeço, minha doce e sagrada água!

Água, da minha vida...

Eu te amo!

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Alma de Poeta



Alma de Poeta

O poeta permite-se louco, irreverente,
Sutil, volátil, surpreendente! ...
Admirável, incrível, pertinente...
Refrigério, edificante, sapiente! ...

O poeta passeia sutil pela sua emoção
Faz, de suas provas, uma canção
Brinca com rimas, ilude em profusão
Semeia palavras, versos, com exatidão

O poeta vagueia em seus direitos
Concebe seu mundo, faz do seu jeito
Alinhava seus pontos sem preconceito
Cria seus temas com seus trejeitos

O poeta sabe o que diz
De sua obra é o juiz
Se, para muitos, nada condiz
Para outros, contudo, é feliz

O poeta reproduz suas dores
Deságua em lágrimas e rancores
Eterniza, enaltece seus amores
Suas tristezas, seus dissabores 

O poeta, em seus delírios, perde o juízo
Deixa brotar suas loucuras, se for preciso
Em sonhos, transforma seu paraíso...
Transcende em prosas, prantos e risos

O poeta induz-se com seu talento
Enfeita versos em pensamentos
Delira em frases, inverte o tempo
Rascunha linhas com seu lamento

O poeta segue seu dom com sutileza
Constrói suas trovas, faz com destreza
Descreve suas mágoas, suas tristezas
Suas tormentas, dramas e incertezas

O poeta, em sua essência, é um jardim...
Carrega na alma o perfume do jasmim
Sua imaginação jamais terá fim

Para isso veio; nasceu assim!!!!

Maria Raquel de Oliveira Souza

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Papai


Papai
(Lázaro Geraldo de Oliveira)

Ele sempre foi assim: raro, diferente;
Amante da boa prosa e da pergunta irreverente... 
Livre! Completamente! ...
Na cor preferida, o vermelho carmim; 
Na flor, o jasmim.
Nos instrumentos, a gaita e o violão,
Que acompanham o seu tremendo vozeirão!
Nos pés não gosta de sapatos não,
Bom mesmo é pôr as “pranchas” no chão.
Aventureiro, tentou a Avenida do Contorno circundar,
Sumido um dia inteiro, fez toda a família preocupar;
Não sabemos se a maratona conseguiu completar,
Mas importa é a felicidade de vê-lo à nossa casa retornar.
Pouco liga para a regra, norma e convenção...
E assim caiu de um galho, com o machado na mão
Além do susto grande, ele se machucou
Teimoso, o Sô Geraldo não se emendou
Mas, “Deus sabe o que faz”, e dele sempre cuidou.
É... ele é homem de Fé, que nada parece abalar
E quanto maior o seu crer, mais raro é o preocupar 
Aparece muito o agradecer, ao homem que pouco sabe reclamar.
Corajoso, não tem medo da noite, nem de assombração...
E sabe que é verdade quem bem conhece o Capão!
Lá, caminhava pela porteira do Daniel e Mato do Borrão;
Para ele, corriqueiro e tranquilo; para muitos, uma aflição.
Resignado, aceita a vida como ela é
Sem contestar o curso da maré.
Solitário, sempre viveu um mundo particular,
Com boas verdades e valores enormes pra contar.
Sensível, com o cavalo se importava;
Se o animal a carga transportava,
A pé ele andava, pois pena lhe dava;
E quando alguém montava,
O arreio aliviava,
E o animal ele não incomodava.
Grande coração, de pura retidão!
Espirito de bondade, marcado pela simplicidade
Alma generosa e paciente, 
Aspectos que fazem de você, nosso pai, um ser sapiente.
Obrigada, papai, pela vida e pelos exemplos!
Nossa alma cigana é imortal. Caminharemos juntos e livres, em nossos mundos e viagens sem fim!!! 
Eu te amo, papai!

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Laços de Amor



Laços de amor

Com rédea firme, certeira
O coração palpitante
O sorriso cativante
Você me fez prisioneira

E me prendeu com correntes
Feitas de amores ardentes
Promessas tão pertinentes
Argumentos consistentes...

Já nem quero mais fugir
Nem liberdade pedir
Nos seus laços de amor
Sigo-te pra onde for

Por essa vida ligeira
Eu me entrego sem pudor
Sou por você prisioneira
Nos seus caprichos de amor!...

Maria Raquel

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Alma Livre


Alguns nasceram para ser livres. Para esses, não há outro caminho, que não seja o da liberdade!... Almas não se aprisionam!...

sábado, 3 de setembro de 2016

Coração pleno.



Não é fácil adentrar em um coração pleno. Corações vazios não conseguem caminhar em um mar garrido, multicor, cativante, aguerrido... Essa luz intensa lhes ofuscam a visão. 

Maria Raquel

sábado, 11 de junho de 2016

A noite chegou...

A noite chegou...

A noite chegou tão breve
Tranquila, bastante calma
Abrigou meu corpo leve
Serenou a minha alma

Meu medo é a escuridão
Acendo a luz do lampião
E na beira do fogão
Aqueço meu coração

Depois da longa jornada
Cansativa, demorada
Chego aqui nesse lugar
Para, enfim, descansar

Nessa minha caminhada
Sou peregrina dos sonhos
Às vezes, encontro o nada
Nesses meus dias tristonhos

Muitas vezes me distraio
Inventando o que fazer
Bem pouco do que eu faço
Me traz alegria ou prazer

No percurso ou nas paradas
Vivo no tempo de espera
Nem sei mais o que é viver
Esperando acontecer

A esperança é de acordar
Vivendo outro amanhecer
Sentindo o brilho no olhar
Em um belo alvorecer

Pego bem cedo a estrada
   Bem antes de o sol nascer
Para trás, não deixo nada
        Nem meu rastro pra se ver...

Autoria: Maria Raquel de Oliveira Souza

segunda-feira, 25 de abril de 2016

sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

Delírio





Meu poema "Delírio" foi musicado pelo músico peruano Paulino Carrasco. Os arranjos e instrumentais também são dele. Eu gostei. Ficou muito lindo! Espero que gostem!

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

FLOR TROPICAL


Flor Tropical  (Letra de Música) 

Ainda lembro muito bem
O quanto te fiz chorar,
Quando tive que partir
Por esse mundão sem fim.

Muitas saudades senti,
Foi aí que descobri
Que meu verdadeiro sonho
Eu tinha deixado aí.

Por quantas vezes chorei
E tantas dores passei.
Por isso te peço, volte!
Se ainda gosta de mim...

Te quero, flor tropical  
Morena cor de café
Linda, cheirosa, atrevida
Incendeia minha vida.

Não consigo esquecer
Das nossas noites quentinhas,
Debaixo do cobertor
Embrulhados no amor...

Hoje a saudade me mata
Não sei mais por onde andas.
Quem sabe nessa canção
Possa ouvir meu coração...

Dessa vez eu te prometo
Nunca mais vou te deixar,
Um amor puro e sincero
Eu guardei só pra te dar.

Por você eu faço tudo
Não quero te ver chorar,
Por isso eu te peço, volte!
Ou me deixa te buscar...


Autoria: Maria Raquel de Oliveira Souza